terça-feira, 7 de junho de 2011

NOITE CONTEMPORÂNEA - CINE FLORIPA

A BARCA DOS LIVROS, na Lagoa da Conceição, no dia de 02 de julho, às 20:00h  exibe o filme BARRA VENTO, de Glauber Rocha. 

Sessão comentada por José Geraldo Couto, jornalista, tradutor,  e crítico de cinema e literatura.
Cobertura Oficial: SÓ COLUNISTAS
Aberto ao Público






SINOPSE
Numa aldeia de pescadores de xaréu, cujos antepassados vieram da África como escravos, permanecem antigos cultos místicos ligados ao candomblé. A chegada de Firmino, antigo morador que se mudou para Salvador fugindo da pobreza, altera o panorama pacato do local, polarizando tensões. Firmino tem uma atração por Cota, mas não consegue esquecer Naína que, por sua vez, gosta de Aruã. Firmino encomenda um despacho contra Aruã, que não é atingido, ao contrário da aldeia que vê a rede arrebentada, impedindo o trabalho da pesca. Firmino incita os pescadores à revolta contra o dono da rede, chegando a destruí-la. Policiais chegam à aldeia para controlar o equipamento. Na sua luta contra a exploração, Firmino se indispõe contra o Mestre, intermediário dos pescadores e do dono da rede. Um pescador convence Aruã de pescar sem a rede, já que a sua castidade o faria um protegido de Iemanjá. Os pescadores são bem sucedidos na empreitada, destacando-se a liderança de Aruã. Naína revela para uma preta velha o seu amor impossível por Aruã. Diante da sua derrota contra o misticismo, Firmino convence Cota a tirar a virgindade de Aruã, quebrando assim o encantamento religioso de que ele estaria investido por Iemanjá. Aruã sucumbe à tentação. Uma tempestade anuncia o "barravento", o momento de violência. Os pescadores saem para o mar, com a morte de dois deles, Vicente e Chico. Firmino denuncia a perda de castidade de Aruã. O Mestre o renega. Os mortos são velados, e Naína aceita fazer o santo, para que possa casar com Aruã. Ele promete casamento, mas antes decide partir para a cidade de forma a trabalhar e conseguir dinheiro para a compra de uma rede nova. No mesmo lugar em que Firmino chegou à aldeia, Aruã parte em direção à cidade

"Alguns elementos do filme fazem parte de minhas preocupações: o fatalismo mítico, a agitação política e as relações entre a poesia e o lirismo, uma relação complexa num mundo bárbaro. Um ensaio cinematográfico, uma experiência de iniciante."  Glauber Rocha

Realização: IMPÉRIO Produções  e ADRICOPETTI Filmes
Apoio Cultural: Tempo GLAUBER
Apoio Técnico: Orbital - CineSupport - Assoc. Cultural Baiacú de Alguém
Produção: Iara Faccini e Pablo Enriquez

2 comentários:

DLM PICTURES disse...

Boa iniciativa!!!
Espero que um dia nossos filmes poderiam ser exibido là!!!
Bom trabalho Adriana...força ai!!!!!

Adricopetti@hotmail.com disse...

Obrigada, Mamandou. Com certeza é um espaço que temos, aqui em Florianópolis, a disposição dos nossos filmes.